Meu maior medo da vida adulta

Meu maior medo da vida adulta: E quando meus pais morrerem?

Ouço muitos pais falando da preocupação que tem de morrerem e como ficará o filho autista que por sua vez é muito dependente por algum motivo de apego, ou pela gravidade do espectro.

Eu estava no grupo de apoio para os pais, na roda de abraço realizado pela Piú Abilità.
E quando uma mãe e um pai falaram do receio da morte e desamparo do filho eu afirmei:

Esse medo não é apenas de vocês. Embora eu seja autista leve e busque me superar cada dia tenho esse medo. O que será de mim quando não tiver mais mãe?!

Meus irmãos tem a vida deles, construíram suas famílias e apesar de serem muito amigos e parceiros, não será a mesma coisa de ter minha mãe.

Eu vivo em função de minha mãe, o que ela acredita que sou capaz, quanto ela me incentiva, me motiva , me faz acreditar em mim. Quantas vezes ela nunca entendeu o autismo, mas sempre tentou me entender e sair ao favor tentando explicar que era preciso paciência comigo.

Eu choro muito, mas tento me preparar para esse momento da vida, mas sempre cresci com medo. Meus irmãos trabalham, conseguem se sustentar, conseguem cuidar deles e eu sempre preciso de auxílio. Hoje sei que posso contar com ajuda dos meus amigos também, isso é algo que me conforta.

Saber que tenho meus irmãos e amigos para me ajudarem….mas e quem não tem essa rede de apoio?!!
Muitos autistas adultos estão em depressão e se suicidando pelo pânico de não conseguirem ser autossustentáveis e sem apoio sucumbem nesse mesmo medo:
E quando os pais morrerem?

Naty Souza