Tratamento para quê?

Tratamento para quê?

Tratamento para quê?

Por Fábio Cordeiro

Ativista, administrador da página @aspiesincero no Instagram, servidor público federal, palestrante e escritor.





Hoje sabemos que, em relação ao TEA, quanto mais precoce o diagnóstico, melhor o prognóstico. Isso claro, se o tratamento for iniciado o quanto antes e de maneira correta.



Mas dizer apenas "maneira correta" pode ser um tanto quanto vago. Qual seria essa maneira correta?



Aqui cabem algumas interpretações. Podemos dizer que a maneira correta se dá quando procuramos profissionais especialistas, toda uma equipe multiprofissional que trabalhe com abordagens baseadas em evidências científicas. Isso é importantíssimo, pois há muito charlatanismo acerca dos tratamentos no Autismo, porém devemos fugir das pseudociências e dos golpes que surgem aos montes por aí.



Atualmente, para o acompanhamento eficaz de pessoas autistas, o que temos de fato são 28 práticas baseadas em evidências científicas e ainda algumas outras que são citadas e usadas, mas que ainda carecem de mais estudos.



O que foge disso, por via de regra, não funciona para TEA e pode fazer com que seja desperdiçado um tempo precioso, além de ocasionar a perda de uma janela de neuroplasticidade do indivíduo.



Então, considerando que as práticas adequadas estão sendo aplicadas, ainda podemos ir além com essa indagação do que seria a maneira correta. Temos que fazer outras perguntas: esse tratamento é para quê? Qual o objetivo dessas abordagens?



E aqui teremos a resposta que vai nos dizer se teremos sucesso ou não no tratamento.



Se buscarmos que a pessoa seja curada de sua condição, então não há tratamento ou profissional no mundo que vá resolver. Se quisermos que o resultado seja que o Autista se encaixe no padrão o qual o senso comum tem como normalidade, estaremos fadados à decepção. Se buscarmos que o indivíduo fique menos Autista, estaremos condenados ao fracasso.



O intuito de qualquer tratamento deve ser o de amenizar as dificuldades e de prestigiar as potencialidades. Acreditem, no Autismo, existem muitas dificuldades, mas também há muitas características que, se bem desenvolvidas, são de enorme potencial.



Desse modo, o acompanhamento terapêutico não deve ser no sentido de retirar o autismo, mas sim no de proporcionar um bem-estar biopsicossocial apesar e além do autismo.



"Apesar de", porque a pessoa nasce autista e vai continuar autista por toda sua existência. E "além de", porque o autismo é uma característica do ser e não algo que o define.



A pessoa que está no espectro é e pode ser muitas coisas. É filho(a), é irmão (ã), pode ser pai, mãe. Pode ser estudante, empregado, patrão ou patroa. Pode ser de qualquer cor ou orientação sexual, enfim, pode ser tudo isso e muito mais, e também ser autista.



E, dentro de todas essas características, ela deve e pode viver bem. No entanto, para o sucesso dessas intervenções, não basta apenas que a pessoa autista aprenda e, por vezes, se modifique. É necessário que toda a sociedade entenda que qualquer pessoa a qual tenha alguma dificuldade receba a ajuda que necessita. Ainda, é preciso entender a necessidade de todos de se modificarem para aceitarem que o normal é ser diverso e que não podem existir barreiras que impeçam que todos tenham oportunidades de serem felizes e bem-sucedidos com a equidade que lhes é de direito.